1998-CAPA-SIDERADO

Siderado, gravado no estúdio carioca AR, foi produzido pelos ingleses John Shaw, um dos produtores do grupo de reggae UB 40, e Paul Ralphs.

O Álbum foi mixado nos estúdios de Abbey Road, Londres, espaço eternizado pelos Beatles. Siderado apresenta, além de trabalhos com Nando Reis e Chico Amaral, novos parceiros como Marcelo Yuka do Rappa em “Do Ben” e Rodrigo Leão do Professor Antena em “Saideira”.

O grupo instrumental Uakti participou em “No Meio do Mar” e Daúde em “Don Blás”. O projeto gráfico foi criado por Marcus Barão a partir das pinturas de César Maurício, artista plástico e vocalista do grupo Radar Tantan. As fotos são de Bob Wolfenson.

Siderado foi lançado em julho de 1998 e vendeu 750 mil cópias.

Faixas

1. Marginal Tietê

Marginal Tietê

Samuel Rosa – Chico Amaral

Jatos, carros voam
Sobre o canal
Farsantes, garças esparsas
Na imundice geral
Tudo legal

Nas alturas parece
Como parece impossível
Dar um jeito no lixo

Mulheres querem amor e poder
E os homens querem somente
Aquilo que é irreal

Tudo normal
Nas cabeças parece
Como parece tranquilo
Ser fiel a alguém

Mas não existe megabyte
Para uma vontade
E a gente nunca
Quer nada fácil

É fácil dar trabalho
Casa e comida
Até dinheiro ou crédito
Se você quer saber

Tudo legal
Com os meios parece
E parecia tão óbvio
Manter a vista intacta

Mulheres querem amor e poder
E os homens querem somente
Aquilo que é irreal

[Refrão 1x]

Não é possível
Que isso seja o final
Não é possível
Que exista
O provisório eterno

Tudo legal
No inferno parece
Como parece tão simples
Vestir a roupa e sair

Não existe megabyte
Para uma vontade
E a gente nunca
Quer nada fácil

2. Do Ben

Do Ben

Samuel Rosa – Marcelo Yucca

Sua mão direita vale ouro
Que trouxe o novo som
Pra dividir com os outros
Simpatia gera simpatia
Alegria gera alegria

Domingas gerou bondade
Do Ben que cantou Charles
Charles que deu a voz
Ao outro lado da cidade

Ben Ben Ben Ben, quero mais do Ben, quero mais do ben
Ben Ben Ben Ben, quero mais
Ben Ben Ben Ben, quero mais do Ben, quero mais do ben
Ben Ben Ben Ben, quero mais

Um grande rapper de São Paulo
Deu ao filho o nome Jorge
Invocando de novo o guerreiro
Que batuca no violão
O futuros de muitos velhos macumbeiros

De todos os botecos que Santa Clara clareia
Pelo mundo afora porque outros meninos virão
Com outras formas de samba
Pra melhorar nossa história

[Refrão 1x]

Levanta e “vamo simbora”
Que a área tá pesada
Nosso Charles agora é o rei mais novo
Que lá em cima do morro
Limpando a 45

Ainda se torna um Zé Pretinho
Ao ouvir alguma coisa do Ben
Sonhando com o Carnaval
Sobrevivendo ao ano que vem

[Refrão 1x]

3. Resposta

Resposta

Samuel Rosa - Nando Reis

Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou pra trás
Também o que nos juntou

Ainda lembro
Que eu estava lendo
Só pra saber
O que você achou
Dos versos que eu fiz
E ainda espero
Resposta

Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar
Que ninguém mais pisou

Você está vendo
O que está acontecendo
Nesse caderno
Sei que ainda estão

Os versos seus
Tão meus que peço
Nos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite

Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante

Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou pra trás
Também o que nos juntou

Ainda lembro
Que eu estava lendo
Só pra saber
O que você achou

Dos versos seus
Tão meus que peço
Dos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite

Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante (2x)

Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar
Que ninguém mais pisou

Você está vendo
O que está acontecendo
Nesse caderno
Sei que ainda estão

Os versos seus
Tão meus que peço
Nos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite

Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante (2x)

4. Siderado

Siderado

Samuel Rosa - Chico Amaral

Porque eu te espero na neblina
Porque eu te espero no saguão
Aeroporto ou esquina
E no sol do verão
No fim do mundo

Porque eu te espero no cerrado ou na cidade invadida
Perdido de amor, siderado
No final na saída
No poço fundo

Porque eu te espero ali também
Na última linha desse trem

Se duvidar
Eu tenho mais de um mar de provas
Se duvidar
Eu tenho mais de um mar (2x)

Porque eu te espero no aterro
Porque eu te espero diga quando
Por certo
Soho ou é Serro
E a noite passando num segundo
Porque eu te espero ali também
Na última linha desse trem

Se duvidar
Eu tenho mais de um mar de provas
Se duvidar
Eu tenho mais de um mar (2x)

Eu fiz esta canção
Faltando alguém, quem
Fiz essa canção sem opção, sei
Fiz essa canção porque me falta alguém
Fiz essa canção de coração, sei

Porque eu te espero nas manhãs
De nuvens só feitas de lãs

Se duvidar
Eu tenho mais de um mar de provas
Se duvidar
Eu tenho mais de um mar (2x)

5. Mandrake e os Cubanos

Mandrake e os Cubanos

Samuel Rosa - Chico Amaral

Será que você gostou
Desse terno que eu comprei
Parece um fraque de um Mandrake
Foi no centro que eu achei

Será que você gostou
Dessas meias de algodão
Disseram que no inverno esfriam
E esquentam no verão
Vou combinar com meus sapatos
De couro de cascavel
Botar no bolso uns cubanos
Que me deram lá no motel

Eu hoje sou cabra da peste
Sou mute lá no Correia
Nem cult nem cafajeste
Só lobo na lua cheia

Será que você gostou
Desse terno que eu comprei
Parece um fraque de um Mandrake
Foi no centro que eu achei

Será que você gostou
Desse anel daqueles hippies
Parece a gema dos seus olhos
Irrequietos acepipes

Vou combinar com uma gravata
De peixes orientais
Botar no bolso um pente de osso
E umas ervas naturais

Eu hoje sou cabra da peste
Sou mute lá no Correia
Nem cult nem cafajeste
Só lobo na lua cheia

Capa, bengala e cartola
Ela tem lábios de mola
Pega o jaleco e “vamo” embora
Vê se liga qualquer hora

Será que você gostou
Desse terno que eu comprei
Parece um fraque de um Mandrake
Foi no centro que eu achei

Capa, bengala e cartola
Ela tem lábios de mola
Pega a echarpe e dá o fora
Vai chover marido agora

Capa, bengala e cartola
Ela tem lábios de mola
Pega o jaleco e “vamo” embora
Vê se liga qualquer hora

6. Os Homens das Cavernas

Os Homens das Cavernas

Samuel Rosa - Chico Amaral

Nós somos a molambeira
A vida nos trata a cacete
O que é morada eu não sei
Se tive, já esqueci
Aqui debaixo da ponte
É o final

Vem na avenida senhor presidente
Alguém de nós foi lá ver
Dizem que o homem tudo vê
Por traz de seus vidros fumê
O presidente é a lei
Molambada é como urubu, como urubu

Nem palácio, nem barracão
Nem dúvida, nem ilusão
Homens que vivem nas cavernas
Where do they all belong?

Estado, Folha, Globo
E o fogo pra acender, vê
Para, come a fome pra viver

Ali vai ser a trincheira
Os carros merecem correr
São caros e velozes
Um carro é o que eu queria ter

Levar meu pai na Bahia
Ele que gosta do mar
Ele que gosta

Aclimação, vacilei
Parei na colônia penal
Não sou de briga mas tirei
O sangue de um homem mal

E separei sem querer
Sua alma do corpo

Nem palácio, nem barracão
Nem dúvida, nem ilusão
Homens que vivem nas cavernas
Where do they all belong?

Nós somos a molambeira
A vida nos trata a cacete
O que é morada eu não sei
Se tive, já esqueci
Aqui debaixo da ponte
É o final

Nem palácio, nem barracão
Nem dúvida, nem ilusão
Homens que vivem nas cavernas
Where do they all belong?

Estado, Folha, Globo
E o fogo pra acender, vê
Para, come a fome pra viver

Bom que se saiba
Meu irmão cada vez que dorme aqui
Truca-se um baralho, jogo bom
Sibilina a lua chegou
Sete lobas uivaram, eu contei

Ou quem sabe, irmã
Foi a sirene da Rotam
A farejar sua caça
Essa raça não quer morrer
Bala passa a mergulhar
Acesa na escuridão
Isso deve doer

Nem palácio, nem barracão
Nem dúvida, nem ilusão
Homens que vivem nas cavernas
Where do they all belong?

7. Romance Noir

Romance Noir

Samuel Rosa - Chico Amaral

Fim de semana, fim de tarde
Eu mexo o gelo do copo com o dedo
Melhor sozinho, até porque
A solidão é uma velha amiga

As persianas clichezadas
Não filtram a poeira dourada
Esse escritório às vezes dá impressão
De um pardieiro suspeito

Longa avenida eu sei, mas eu preciso encontrar
Outra saída eu sei, pra esse romance noir

A sombra entra lentamente
Enquanto o trânsito ecoa distante
Não sei porque ela insiste
Mas não vou, não vou pensar nisso agora

Como também não vou pensar
Que o amor tem seus próprios fios
A chuva desce com trovões
E da janela observo a fiação

Longa avenida eu sei, mas eu preciso encontrar
Outra saída eu sei, pra esse romance noir

8. Don Blás

Don Blás

Samuel Rosa - Chico Amaral

Don Blás
Ajeita os cabelos
E sai
Gomalinamente

Cidadezinha uruguaia
O bonde ele ponga
Toma lugar pra ler
Sonda seus pares
E songamonga
Outras mais ímpares vê

Baixou
Na praça maior
Desceu
Olhando ao redor

Olha pro sol e sai
Ali dá sombra, ali tá bom
Olha o relógio e vai
Olha pro sol sai
Aqui na sombra onde Brasil
Divisa com Uruguai

Chegou
Cristal da manhã
Maná
Dolores pagã

Não atinou com a sombra do mal ali
Nem viu Don Blás fugir
Não viu a rede se desfazer
Sem o pescado

O peixe morre pela boca
Ou senão pelo sexo
Estude o léxico do amor, por favor
Blás, homem galante
Poderoso e confiante
Descansa numa estância longe de sua amante

Então cumpre admitir que desta feita quase
Me dei mal
Sorte ter o brilho me cegado, o cano de metal
Fosse obedecer um caralho que jamás
Recua e quer reinar
Mas nem o sonso distrai o papai aqui

Portanto cumpre tomar precauções
Doravante
Nada de morrer por causa de saia
O que é a mulher? Pergunta alguém
O que é a mulher?
A vida é boa mas me cansa a cabeça

Filha do pai me chama na praia
Descendo vai aonde a tocaia

9. Calipsoê

Calipsoê

Samuel Rosa - Chico Amaral

Foi a barra que desmaiou
Inda nem clareou
De repente te vi socar
A sandália no chão

Essa noite que me salvou
Vou casar com alguém
Ê por baixo do pano
No final do ano
Ou no ano que vem

Ê por baixo da ponte água fresca passa
Ê por cima da cabeça, avião
Ê por baixo da saia, a seda e a graça
E a febre de cada coração

Ê por dentro da caixa preta tudo vive
E por fora dessa dor, só verão
Ê por mim não largava o amor que um dia eu tive
Ê por fora a canção da solidão

Mas quando o sol deixar o meu jardim florido
Eu vou lá perguntar se ela me quer
Ê quando o perigoso amor me der abrigo
Vou subindo nas águas da maré

Ê por dentro da caixa preta tudo vive
E por fora dessa dor, só verão
Ê por mim não largava o amor que um dia eu tive
Ê por fora a canção da solidão

Ê coqueiro na areia balança o corpo
Ê menina que me balança mais
Ê ronco das estrelas que me leva embora
Ê silêncio do mundo que me traz

Ai mamá que eso todo eh
Tiembla como estrellas
La canción que me diste oh
Hoy yo quiero decirla
Cuando el este en mi corazón
Levantó su bandera
Fué la ciudad entera
Una cordillera de canto y pasión

10. No Meio do Mar

No Meio do Mar

Samuel Rosa - Chico Amaral

Ouve o som, então, tom
Tudo vai durar
Só eu passo, só eu morro, socorro
No meio do mar

Se matar não precisa
Nós vivemos de brisa
E a cada mês tudo nos falta
Na medida exata

Tudo certo, tranquilo
Toca isso e aquilo
Ouve cry of love
Enquanto o mundo se move

Meu amor
Que mundo é esse o seu?
Mar afora
Tão longe você e eu

Os fracassos são nove
Eu vou fazendo o que posso
E só o sol me dá remorso
Sem explicar

Me deixar não precisa
Escreve algo, me avisa
Me acerte logo às sete
Promete

Tudo certo, tranquilo
Toca isso e aquilo
Ouve cry of love
Enquanto o mundo se move

Meu amor
Que mundo é esse o seu?
Mar afora
Tão longe você e eu

11. Saideira

Saideira

Samuel Rosa - Rodrigo F. Leão

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
Quem é de beijo, beija
Quem é de luta, capoeira

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
Tem homem que vira macaco
E mulher que vira freira

Oh! Comandante, capitão
Tio, brother, camarada
Chefia, amigão
Desce mais uma rodada
Desce mais

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
Tem bandeira que recolhe
Tem bandeira que asteia

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
É tomando uma gelada
Que se cura a bebedeira

Oh! Comandante, capitão
Tio, brother, camarada
Chefia, amigão
Desce mais uma rodada

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
Quem é de beijo, beija
Quem é de luta, capoeira

Tem um lugar diferente
Lá depois da saideira
Tem homem que vira macaco
E mulher que vira freira

Oh! Comandante, capitão
Tio, brother, camarada
Chefia, amigão
Desce mais uma rodada
Desce mais

Encontre este álbum em