Skank

Primeiro disco do Skank, gravado como independente no período de julho a agosto de 1992 no, hoje extinto, estúdio JG de Belo Horizonte. Esse estúdio fez história com as gravações de Sepultura e De Falla para a Cogumelo Discos. O álbum foi produzido pelo próprio grupo.

As onze canções apresentam os primeiros resultados da dupla Samuel Rosa e Chico Amaral, uma parceria com o poeta carioca Tavinho Paes, além de versões como “Tanto (I Want You)”, “Let Me Try Again” e “Cadê o Pênalti?” que marcaram as temporadas em bares de Belo Horizonte. “In(Dig)Nação”, que foi criada para um trabalho do videoartista Eder Santos, ganhou as ruas com as manifestações pelo impedimento de Fernando Collor.

O álbum independente foi lançado em outubro de 92 e recebeu tiragem única de três mil cópias. Em fevereiro de 93, depois de contratado pela Sony, o Skank remixou seu primeiro disco no estúdio carioca Nas Nuvens com o engenheiro Paulo Junqueiro. O projeto gráfico de Marcus Barão foi mantido. O padrinho Maurício Valladares fotografou o grupo para o encarte.

O álbum Skank foi lançado em abril de 1993 e vendeu 250 mil cópias

Faixas

1. Gentil Loucura

Gentil Loucura

Affonsinho - Chico Amaral

Hoje eu tô jogando tudo fora
Tudo que não presta mais
Todo o lixo que juntei
Nos meus becos e quintais

Tô falando de loucura
Tô falando de viver
Aura clara, sorte escura
Descobrir o que se é, e ser

Pois é preciso ser honesto
Se cada dia é diferente
Sou um anjo e não presto
Sou só eu no meio desta gente

Tô cansado de bancar
O herói de mim ou do bem
Abro a porta, eu quero mais
Eu quero ser sincero com alguém

Deixe que eu respire o ar livre da rua
Sem parar pra discutir
Deixe que eu passeie minha loucura
Gentilmente por aí

2. In(Dig)Nação

In(Dig)Nação

Samuel Rosa - Chico Amaral

Eu fiquei indignado
Ele ficou indignado
A massa indignada
Duro de tão indignado
A nossa indignação

É uma mosca sem asas
Não ultrapassa as janelas
De nossas casas

Indignação indigna
Indigna nação
Indignação indigna
Indigna inação

3. Salto no Asfalto

Salto no Asfalto

Samuel Rosa - Fernando Furtado

Sabe mais do reino aonde vai
Viu peixe tubarão
Coisa que não era pra ver
Labirinto na cabeça
Se sufocou na multidão

Nem ao menos tentou
Se redimir dos erros
Não parou pra pensar
Se foi bom ou ruim
Inútil persistir, inútil desistir

Corre atrás do amor de bar em bar
Do céu de uma paixão
Ao inferno de um novo prazer
Mil ideias na cabeça
Pra sufocar a solidão

Sentiu seu salto no asfalto
O vento na perna, embaixo da saia
A blusa meio aberta, branca
Sorriu, mas não sabe pra onde

4. Macaco Prego

Macaco Prego

Samuel Rosa - Chico Amaral

Eu sou macaco prego
O bicho mais bonito do viveiro
Só não vê quem é cego
Eu gosto de mim mesmo o tempo inteiro

Eu sou macaco prego
Custei pra dar um jeito no cabelo
Cuidado que eu te pego
Não vem passando o dedo no meu pelo

O sol do meio dia é um chicote
Eu tenho algum trabalho pra fazer
Outro macaco entrou no meu caixote
Vou lá botar o mico pra correr

Eu sou macaco prego
O boy que tá com ela é um martelo
Se gosto, me esfrego
Quem manda ter
Um corpo assim tão belo

Recato em macaco é bobagem
Não poderia ser de outra maneira
Receba essa singela homenagem
Oh dama de ondulante cabeleira

Eu sou macaco prego
Eu vivo e não me entrego
Não peço e não delego
Satisfação

Eu sou macaco prego
Eu vivo e não me entrego
Não peço e não delego
Please to meet you

Sou macaco prego
Eu sou macaco prego
Sou macaco prego
Sou macaco e não nego

5. Tanto (I Want You)

Tanto (I Want You)

Bob Dylan - Versão: Chico Amaral

Coveiros gemem tristes ais
E realejos ancestrais juram que
Eu não devia mais querer você
Os sinos e os clarins rachados
Zombando tão desafinados
Querem, eu sei, mas é pecado
Eu te perder

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Políticos embriagados
Dançando em guetos arruinados
E os profetas desacordados
A te ouvir
Eu sei que eles vem tomar meu
Drinque em meu copo a trincar
E me pedir pra te deixar partir

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Todos meus pais querem me dar
Amor que há tempos não está lá
E suas filhas vão me deixar
Por isso não me preocupar

Eu voltei pra minha sina
Contei pra uma menina
Meu medo só termina estando ali

Ela é suave assim
E sabe quase tudo de mim
Ela sabe onde eu
Queria estar enfim

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Mas seu dândi vai
De paletó chinês
Falou comigo mais de uma vez
Não, eu sei, não fui muito cortês
Com ele, não

Isso, porque ele mentiu, porque
Te ganhou e partiu
Porque o tempo consentiu
Ou se não porque

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto
É tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

6. Homem Que Sabia Demais

Homem Que Sabia Demais

Samuel Rosa - Fernando Furtado - Tavinho Paes

Sabia? Sim
Sabia mais e mais e mais e mais
O homem que sabia
Cheio de eletricidade

Ele sabia que o amor é um tiro
Num alvo além da visão
Capaz da miragem mais linda
No olho de um furacão

Sabia que o desejo é um rio
Cheio de eletricidade
Como um animal no cio
Indiferente a felicidade

Ele sabia que sua paixão
Debochava da velha moral
Como um feitiço absurdo
Muito além do bem e do mal

Continuava sempre sozinho
Procurando entender a razão
Que lhe tornava um ser tão sabido
Mas não lhe explicava a solidão

O homem que sabia demais não sabia
Não sabia esquecer
Nem voltar atrás
Pois sabia mais, muito mais,
Do que podia saber

7. Let Me Try Again

Let Me Try Again

Caravelli - M. Jourdan - Paul Anka - Sammy Cahn

I Know I said that I was leaving
But I couldn’t say goodbye
It was only self deceiving
To walk away from someone who
Means everything in life to you
You learn from every lonely day
I’ve learned and now I’m back to say

I was such a fool to doubt you
To try to go it all alone
There’s no sense in life without you
Now all I do is just exist
And think about the chance I’ve missed
To beg, is not an easy task
Pride, such a foolish mask

Let me try again
Think of all we had before
Let me try once more
We can have it all
You and I again
Please forgive me or I’ll die
Let me try again

8. Baixada News

Baixada News

Samuel Rosa - Chico Amaral

Zilda é uma mulher que mora na Baixada Fluminense
Mãe de cinco filhos, cinco bocas pra comer
Seu ex-marido trabalhava como trocador de ônibus
Trocou Zilda por uma dama que passou pela roleta

A vida já não era fácil com a ajuda dele lá
Agora Zilda tá sozinha com os filhos pra criar
As cinco horas ela acorda e prepara o café
Depois, com outros pescadores, vai pro mangue de Magé

Aos 28 anos, Zilda diz que é dona de si mesma
Não pensa muita coisa, não espera nada de ninguém
Catando a vida pelas patas, dando tapas no destino
Arregaçar as mangas no mangue, paciência em cada gota de sangue

A vida já não era fácil com a ajuda do marido
Mas ela sabe não pensar no que podia ter sido
Às cinco horas ela acorda e prepara o café
Depois, com outros pescadores, vai pro mangue de Magé

Baia de Guanabara
A pesca do caranguejo
Baia de Guanabara
Cabe tudo num desejo

9. Réu e Rei

Réu e Rei

Samuel Rosa - Chico Amaral

Desde que você disse nem
Saber quem foi John Coltrane
E Noel Rosa era alguém
Que seus tios gostavam bem

Eu te amo desde que
Anjo caído cai
Desde quando nem vi
A sombra do amor ali

Desde que não fugimos
Pras ilhas de sal, pros cimos
De neve que nunca vimos
Desde que nada infringimos

Aquela tenda que não houve
Beijo nenhum a boca soube
Amor ao léu sem quem o louve
Cego que vê, surdo que ouve

Quantos pais eu já matei
Ao mesmo tempo réu e rei
A lua, o quarto, me deito, me dei
Por perdido assim que te achei

10. Cadê o Pênalti?

Cadê o Pênalti?

Jorge Ben

Cadê o pênalti que não deram
Pra gente no primeiro tempo?

Vencer era uma necessidade
Um privilégio fazer planos e classificar
Sonhar, jogar, decidir e ganhar
E depois festejar e se banhar
Num mar de rosas

Mas como não foi possível
Isso tudo acontecer
A galera magoada, triste, grita e chora
E pergunta pra você

Pênalti, pênalti, pênalti

Encontre este álbum em